31 de out de 2011

DOENÇAS DE A a Z : AIDS FELINA





AIDS FELINA
(IMUNODEFICIÊNCIA VIRAL FELINA)

DEFINIÇÃO:
TAMBÉM CONHECIDA POR
 IMUNODEFICIÊNCIA VIRAL FELINA,
ELA É PROVOCADA PELO VÍRUS FIV(FELINE IMMUNODEFICIENCY VIRUS) MORFOLÓGICA E BIOQUICAMENTE  COM HIV, MAS NÃO TRANSMISSÍVEL AO HOMEM.

CONTÁGIO:
ELE SE DÁ PRINCIPALMENTE POR FERIMENTOS PROFUNDOS, COMO OS DAS BRIGAS TÍPICAS POR DISPUTA DE TERRITÓRIO. ENTÃO, FIV PODE FICAR INCUBADO NO ORGANISMO POR ATÉ TRÊS ANOS, ESPERANDO UMA SITUAÇÃO ESTRESSE PARA DAR AS CARAS.



O QUE ACONTECE:
O SISTEMA IMUNOLÓGICO  DO BICHANO ACABA DEBILITADO E ELE SE TORNA VULNERÁVEL AO ATAQUE DE MICRO-ORGANISMOS.
A MORTE  COSTUMA OCORRER CERCA DE SEIS MESES DEPOIS DE OS PRIMEIROS SINAIS CLÍNICOS DA DOENÇA SE MANIFESTAREM.
UM GATO COM FIV+(LÊ SE FIV POSITIVO) PODE VIVER MUITOS ANOS, PORÉM, SEM NUNCA MANIFESTAR SINAIS DA INFECÇÃO.


PREVENÇÃO:
COM A MAIOR INCIDÊNCIA DA AIDS FELINA SE DÁ ENTRE MACHOS NÃO CASTRADOS, COM ACESSO À RUA, PROVIDENCIE A CIRURGIA  PARA O SEU PET E MANTENHA-O DENTRO DE CASA.




SINTOMAS:
OS SINAIS CLÍNICOS MAIS COMUNS DA AIDS FELINA SÃO ANEMIA, APATIA, DIARRÉIA, MUCOSAS PÁLIDAS E PERDA DE PESO E DE APETITE.
AS VÍTMAS COSTUMAM RETORNAR SEGUIDAMENTE AO CONSULTÓRIO VETERINÁRIO COM UMA MESMA ENFERMIDADE.

DIAGNÓSTICO:
A CONFIRMAÇÃO DE QUE O ANIMAL ESTÁ COM IMUNODEFICIÊNCIA VIRAL OU AIDS OCORRE POR MEIO DE EXAME SOROLÓGICO.
O MAIS COMUM É O TESTE DE SANGUE CHAMADO ELISA, QUE É REALIZADO EM LABORATÓRIO.

TRATAMENTO:
O TRATAMENTO ENVOLVE FLUIDOTERAPIA, QUE SE ENCARREGA  DE MANTER O FELINO HIDRATADO, MUDANÇAS DE ALIMENTAÇÃO E TERAPIAS COM ANTIVIRAIS E IMUNOMODULADORES.











Nenhum comentário: