6 de mar de 2011

UM DOS MELHORES FILME QUE JÁ VI....




NÃO CANSO DE VER ...
NÃO CANSO DE POSTAR SOBRE
ESSA HISTÓRIA EMOCIONANTE
de MUITA LEALDADE E AMIZADE!
PATY



Em 1924 Hachikō foi trazido a Tóquio pelo seu dono, Hidesaburō Ueno, um professor do departamento de agricultura da Universidade de Tóquio.
O professor Ueno, que sempre foi um amante de cães, nomeou-o Hachi ( Hachikō é o diminutivo de Hachi )
e o encheu de amor e carinho.
Hachikō acompanhava Ueno desde a porta de casa até a não distante estação de trens de Shibuya, retornando para encontrá-lo ao final do dia.
A visão dos dois, que chegavam na estação de manhã e voltavam para casa juntos na noite, impressionava profundamente todos os transeuntes.
A rotina continuou até maio do ano seguinte, quando numa tarde o professor não retornou em seu usual trem, como de costume.
A vida feliz de Hachikō como o animal de estimação do professor Ueno foi interrompida
por um acontecimento muito triste,
 apenas um ano e quatro meses depois.
 Ueno sofrera um AVC na universidade naquele dia, nunca mais retornando à estação onde sempre o esperara Hachikō.



Em 21 de Maio de 1925, o professor Ueno sofreu um derrame súbito durante uma reunião do corpo docente e morreu.
A história diz que na noite do velório, Hachikō, que estava no jardim, quebrou as portas de vidro da casa e fez o seu caminho para a sala onde o corpo foi colocado, e passou a noite deitado ao lado de seu mestre, recusando-se a ceder.
Outro relato diz como, quando chegou a hora de colocar vários objetos particularmente amados pelo falecido no caixão com o corpo, Hachikō pulou dentro do caixão e tentou resistir a todas as tentativas de removê-lo



A Morte de Hachikō: A fama repentina de Hachikō fez pouca diferença para a sua vida, pois ele continuou exatamente da mesma maneira como antes.
Todo dia, ele partia para a estação de Shibuya e esperava lá pelo Professor Ueno para voltar pra casa.
Em 1929, Hachikō contraiu um caso grave de sarna,
que quase o matou.
Devido aos anos passados nas ruas,
ele estava magro e com feridas
das brigas com outros cães.
 Uma de suas orelhas já não se levantava mais, e ele já estava com uma aparência miserável, não parecendo mais com a criatura orgulhosa
 e forte que tinha sido uma vez.
Ele poderia ter sido confundido com
qualquer cão mestiço.

Como Hachiko envelheceu, tornou-se muito fraco
e sofria de dirofilariose, um verme que ataca o coração . Na madrugada de 8 de março de 1935, com idade de 11 anos,ele deu seu último suspiro em uma rua lateral à estação de Shibuya.
 A duração total de tempo que ele tinha esperado, saudoso, seu mestre, foi de nove anos e dez meses.
A morte de Hachikō estampou as primeiras páginas dos principais jornais japoneses, e muitas pessoas ficaram inconsoláveis com a notícia.
Um dia de luto foi declarado ...


VEJA O

COM A MÚSICA
CANÇÃO DA AMÉRICA
do
MILTON NASCIMENTO





 Como ja dizia Gandhi,
 “eu e você somos uma coisa só.
Não posso pensar em te machucar sem me ferir.”




ESSAS SÃO AS CENAS DO FILME







ESSE É O
HACHIKO







Um comentário:

Isabella oliveira madeira disse...

Obrigada pelo carinho lá no blog amigo do cão amigo.... amava muito meu cachorrinho....
estou sentindo muito sua falta...
Obrigada
beijokas!