8 de jul de 2010

MUITO ESTRESSADA

Acidentalmente, panda mata filhote recém-nascido em zoo da China



Ying Hua matou cria que havia nascido 20 horas antes em Pequim,

Especialistas atribuíram o incidente ao 'estresse' do cativeiro.


Uma mãe panda do Zoológico de Pequim matou acidentalmente seu filhote, que tinha nascido 20 horas antes, em incidente que causou alarme entre os tratadores e que alguns especialistas atribuem ao "estresse" que a espécie sofre quando vive em cativeiro, informou nesta terça-feira (6) a imprensa oficial.



A panda, de nome Ying Hua, com sete anos de idade, asfixiou a cria ao exercer muita força com sua cabeça sobre ela, relatou o porta-voz do zoo pequinês, Ye Mingxia, em declarações ao jornal oficial "Global Times".



"Os tratadores escutaram o filhote gritar de manhã, mas quando foram ver o que se passava já era muito tarde", contou Ye.



Ying Hua deu à luz dois filhotes na última sexta-feira, mas um deles foi enviado a uma reserva na província de Sichuan (sudoeste), já que estes animais têm o costume de amamentar e cuidar de só um filhote em cada nascimento.





Panda refresca-se nesta segunda-feira (5) no zoológico de Pequim.




O nascimento dos pandas, os primeiros filhotes de Ying Hua, foi muito comemorado, já que em quatro anos nenhum exemplar tinha nascido no zoo pequinês por meios naturais.



Especialistas citados pelo "Global Times" assinalaram que o estranho comportamento da mãe poderia ser devido ao fato de que ela vive em cativeiro, e por isso sofre estresse.



"O confinamento, a interferência do ser humano e a luz artificial podem submeter um panda a muito estresse", destacou a veterinária Kati Loeffler, do Fundo Internacional para o bem-estar dos Animais, em declarações ao jornal chinês.



O panda é um dos animais em maior perigo de extinção do mundo, devido à dificuldade para se reproduzir (problema derivado da perda de habitat e da consequente endogamia, o acasalamento entre animais com laços sanguíneos).



Atualmente há cerca de 1,6 mil exemplares em liberdade, nas florestas de montanha das províncias ocidentais chinesas de Sichuan, Gansu e Shaanxi. 





Nenhum comentário: