18 de jul de 2010

CRESCE O ABANDONO




O abandono de cães e gatos durante o período de férias cresce cerca de 80% na região, de acordo com especialistas em defesa animal.
Nos meses de janeiro e julho cerca de 4.000 animais são deixados nas ruas do Grande ABC, segundo levantamento
 da Aspapet (Associação Paulista de Pet Shops).
Nos outros meses, esse número pode chegar a 2.000, sendo 400 em cada cidade da região.



De acordo com a presidente da entidade, Silvia Valente, um dos principais motivos para o abandono nessas épocas do ano são o comércio desenfreado de filhotes e as viagens de férias.
 "Muitas pessoas compram os animais em um momento de impulso e esquecem que o bicho vai crescer e que pode viver de 15 a 20 anos. Quando o período de folga se aproxima é mais fácil descartar o animal do que procurar alguém para cuidar do bicho ou até mesmo pagar por um hotelzinho, cuja diária pode variar de R$ 18 a R$ 35."



Silvia também destaca que muitas pessoas acabam contratando o serviço de pet shops só para abandonar o bicho.
"Só aqui no meu estabelecimento chego a doar 200 animais por mês. Muitos são deixados na minha porta e outros vêm para o banho e o dono desaparece.
" Na manhã de ontem mais uma matilha foi abandonada na porta do pet shop de Silvia, localizado na região central de Santo André.
São duas fêmeas e dois machos - todos filhotes SRD (Sem Raça Definida). "Na caixa onde os animais estavam tinha um bilhete, no qual o dono dizia que não tinha condições de ficar com os cães", conta.



No caso dos filhotes é mais fácil encontrar um novo dono, ressalta Silvia, mas o mesmo não ocorre com os animais adultos.
É o caso de Ronaldinho (mestiço de poodle) e Brenda (SRD), ambos de nove meses, que foram abandonados em meados de junho.

"A dona me procurou e disse que iria viajar em julho e que não tinha como levá-los. Se eu não abrigasse os dois, eles seriam deixados nas proximidades da Represa Billings", conta a presidente da Aspapet.
Quem quiser informações sobre os animais pode entrar em contato com a Silvia pelo telefone 2379-8180.



Para a fundadora da ONG Ajudanimal (Grupo de Ajuda e Amparo aos Animais do ABC), que tem sede em Ribeirão Pires, Cecília Bentini, antes de adotar um animal as pessoas devem fazer uma projeção de vida. "Muitos compram ou adotam sem pensar quais serão seus passos futuros. Por isso, quando vão sair de férias ou mudar de imóvel, acabam deixando o animal em último plano e esquecem de encontrar uma solução. O mais fácil é jogar fora", ressalta.



Já a presidente da ONG Clube dos Vira-Latas, também de Ribeirão, Cida Lellis, destaca a importância de campanhas permanentes de conscientização sobre posse responsável para erradicar o abandono. "Além disso, a castração dos animais é fundamental para impedir que a reprodução desenfreada continue ocorrendo e haja superpopulação de animais nas ruas."



As prefeituras da região se preocupam com a questão e algumas já oferecem programas de castração gratuita.
Em Santo André, os interessados devem comparecer no GCZ (Gerência de Controle de Zoonoses) para realizar o cadastro de seu pet.
Informações pelo telefone 4990-5256.



São Bernardo também oferece o serviço. Desde fevereiro deste ano, já foram esterilizados 637 animais, segundo a prefeitura. O contato do CCZ (Centro de Controle de Zoonozes) é o 4365-5316.



Outra cidade que oferecerá a castração gratuita em breve é São Caetano. Informações pelo telefone 4231-3938.



Mais de 300 pets aguardam adoção em quatro CCZs



Atualmente, mais de 300 animais aguardam um novo lar nos CCZs (Centros de Controle de Zoonoses) da região.
Depois da lei estadual nº 12.916, de 16 de abril de 2008, que proíbe a execução de animais saudáveis, a ação dos centros é mais restrita e são recolhidos apenas os animais doentes ou que se encontram em situação de risco.



Em Santo André, segundo dados da Prefeitura, são 55 cães adultos - sendo dez pit bulls, 33 filhotes, 17 gatos adultos e dois filhotes.
Já São Caetano abriga atualmente 37 cães e 11 gatos.



São Bernardo cuida de 60 animais, Ribeirão Pires de 20, e Diadema de 61. As cidades de Mauá e Rio Grande da Serra também foram procuradas pelo Diário, mas não responderam até o fechamento desta edição.



Um dado é unânime em todos os CCZs do Grande ABC: os animais que são mais abandonados são os vira-latas (SRD) e os mais difíceis de serem adotados são os pit bulls. Mesmo assim, todos os centros realizam regularmente campanhas de doação nos centros.


Fonte: Dgabc




Um comentário:

Aujudando Aumigos disse...

Paty:

Bem a calhar esse seu post, sabia que aqui em Ubatuba, assim como cidades próximas, existem muitos casos de pessoas que alugam casas para passear nas férias e quando vão embora "esquecem" o aumiguinho aqui??
Que ser humano é capaz de uma atitude dessa não?
Gente: antes de se responsabilizar por um filhotinho, é preciso consciência!!
Daqui a pouco São Francisco desce na terra prá ensinar gente grande a cuidar dos aumiguinhos!!!
Beijinho,
Ana