25 de jun de 2010

ME EMOCIONEI COM A HISTÓRIA


Resgate de garça causa alvoroço na Represa


Bombeiros durante trabalho de resgate da garça

 
O resgate de uma garça na Represa Municipal de Rio Preto, na tarde de ontem, mobilizou cinco bombeiros e um civil.
A ave ficou presa pela perna nos galhos de uma árvore.



O primeiro a tentar salvar a garça foi o vendedor Paulo César Silvério, 45 anos, por volta das 16h.

 Ele tirou a roupa (deixando aos cuidados de um pescador) e pulou na água gelada apenas de cueca. Foi nadando até a ilha e tentou resgatar o animal.



Os galhos da árvore, porém, eram muito finos. “Não tinha como ficar em pé ali.
” Sem conseguir salvar a garça, ele tentou voltar. Ao entrar na água de novo, porém, sentiu fortes cãibras na perna.
“Eu não nadava há uns 20 anos”, diz.



Do outro lado da Represa, a funcionária do parque Alice Jaen Lopes, 49 anos, percebeu que o vendedor estava em apuros e ligou para os bombeiros. Com um bote, dois homens resgataram Silvério.



Em seguida, eles retornaram à ilha e libertaram a garça. A ação durou cerca de 40 minutos. Foi preciso cortar o galho para retirar a ave, que estava pendurada pela perna por uma linha de anzol. O vendedor acompanhou o resgate até o final. “Não acho que fui um herói. Temos que ajudar quem precisa, seja bicho ou gente”, diz. Ele nomeou a garça de Vitória.



Paulo César Silvério conversa com bombeiros após ser resgatado

A cena incomum chamou a atenção dos frequentadores do local. Quem fazia caminhada ou morava na vizinhança parou para ver a ação dos bombeiros. Muitas pessoas registravam a cena com celulares.



“Nunca tinha visto algo assim. Acho até demais para uma única garça”, diz a aposentada Helena Gomes, 70 anos. Aline Pereira Martins, 27 anos, discorda. “Sou a favor das aves. Todos deveriam ter esse esforço para preservá-las.”



Mesmo considerada heróica, a atitude de Silvério foi reprovada pelos bombeiros.
 “É muito arriscado tentar fazer um resgate como esse sem equipamentos e técnica. Ele poderia ter até se afogado, caso não tivesse esperado”, diz o cabo Alessando Domingues Rovani.



O ideal é entrar em contato com o Corpo de Bombeiros pelo telefone 193.
A garça foi levada para o Hospital Veterinário da Universidade de Rio Preto (Unirp), para ser avaliada.
Em seguida, ela deve ser devolvida ao ambiente.



Fonte: Diario Web




Nenhum comentário: